domingo, 31 de janeiro de 2010

Sapunaru de saída para o Rapid Bucareste



O defesa romeno está de saída do FC Porto. O jogador é anunciado como reforço do Rapid Bucareste, por empréstimo até final da presente época.

Sapunaru, em declarações ao diário romeno ProSport, dá o acordo por finalizado, garantindo que o FC Porto aceitou a proposta de empréstimo por parte do Rapid. Trata-se de um regresso para o jogador, uma vez que ali actuou antes de se mudar para o FC Porto.

O jogador, recorde-se, está suspenso preventivamente em Portugal - tal como Hulk -, devido aos incidentes ocorridos no final do último Benfica-FC Porto, disputado em finais de Dezembro. Como tal, esta mudança vai permitir-lhe voltar a jogar.

Fonte: a Bola

Resultados Liga Vitalis

17.ª JORNADA

Santa Clara-Penafiel, 0-1
(Ferreira 15')

Gil Vicente-Carregado, 0-1
(Mauro, 35' g.p.)

Trofense-Fátima, 1-0
(Filipe Gonçalves 45')

Chaves-Aves, 0-1
(João Silva, 48')

Freamunde-Sp. Covilhã, 3-2
(Emanuel 3', Bock 6' e Cascavel 31'; Auri 9' e Edgar, 86' g.p.)

Varzim-Feirense, 2-1
(Gonçalo Abreu 3' e Bruno Moreira 29'; Igor Souza 4')

Estoril-Oliveirense, 0-1
(Cícero 60')

Beira-Mar-Portimonense, 2-0
(Artur 25', Mário Rondon 90'+3)

Fiorentina contrata Keirrison



A Fiorentina anunciou neste domingo que chegou a um acordo com o Barcelona para contratar o atacante brasileiro Keirrison. Em nota publicada no seu site oficial, o clube italiano explica que o avançado, atualmente no Benfica, será cedido por empréstimo de dois anos.

Keirrison deve realizar os exames médicos necessários para a oficialização da contratação na segunda-feira. O acordo permitirá ao time italiano adquirir os direitos económicos do atacante brasileiro após o encerramento do período de dois anos do empréstimo.

Kerrison foi contratado pelo Barcelona por 15 milhões de euros em 2009, após rápida passagem pelo Palmeiras. O time espanhol decidiu emprestá-lo ao Benfica para ganhar experiência, mas o atacante teve mau desempenho e poucas oportunidades no futebol português.

Fonte: Estadão

Alerta na SAD do dragão



Fernando Gomes equaciona demitir-se. Administrador defende contenção nos gastos e sente-se desautorizado. Ruptura à vista.

Desenha-se uma baixa de grande significado e efeitos imprevisíveis na equipa administrativa dos dragões: Fernando Gomes. Responsável máximo pela área financeira da SAD do FC Porto desde 2001, foi conquistando espaço importante na restrita estrutura de topo da sociedade desportiva graças à gestão cuidada nas contas, o que lhe garantiu uma imagem de seriedade que o catapultou para o selectivo nicho de primeiras figuras do clube.

Mas divergências acumuladas do foro económico-financeiro, ainda que só, desencadearam reacções em cadeia com detonações inesperadas no próprio gabinete do presidente que desgostaram, e muito, o sempre discreto e sereno administrador, que pondera demitir-se das suas funções.

Decisão drástica, ainda que não tomada - e que a ser formalizada carecerá, como mandam os regulamentos para as sociedades cotadas em bolsa, de comunicação por escrito à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários -, assim como nada usual na cabeça da hierarquia dos azuis e brancos desde que Pinto da Costa assumiu a liderança e implementou um modelo de conduta que é tido como uma das bases do sucesso do FC Porto.

Mesmo cuidadosos e exímios a gerirem e até solucionarem situações de ruptura, como parece ser o caso, os administradores e elementos mais graduados da SAD não impediram que a posição de Fernando Gomes se extremasse nestes últimos tempos.

KLÉBER, A GOTA DE ÁGUA

Uma carta enviada há alguns dias pelo número um da área financeira dos dragões já denunciava, entretanto, o seu incómodo e apreensão com a derrapagem das contas e gastos, supondo-se, e nada mais do que isso, que as aquisições de Rúben Micael e Kléber tenham sido as gotas de água que fizeram esgotar a sua paciência.

Defensor acérrimo de uma política económica de contenção para o FC Porto, Fernando Gomes nem por isso mostrou insensibilidade para investimentos necessários na principal equipa de futebol. Como ainda na época passada fez menção de dizer, numa das poucas entrevistas concedidas, desde que Pinto da Costa é presidente «a sociedade assumiu uma filosofia de estar neste negócio com alguma dose de risco».

Fonte: a Bola

Vukcevic pronto para o Dragão



Depois da comprometedora derrota com o Sp. Braga, afastando quase que definitivamente o Sporting da luta pela conquista do título nacional, o plantel leonino começou a preparar o clássico com o FC Porto com duas boas notícias para Carlos Carvalhal: Vukcevic e Caneira serão opções válidas para a partida que decidirá qual a equipa que estará presente nas meias-finais da Taça de Portugal.

Os dois jogadores, recorde-se, estavam sob alçada do departamento médico e, por isso, ficaram de fora da convocatória do jogo com a formação bracarense. Mas agora serão, então, opções para o encontro com o FC Porto. Mais duas soluções para o treinador, se bem que nos últimos jogos não tenham entrado na equipa titular.

Se o defesa, que estava a contas com mialgias na face posterior da perna esquerda, já foi reintegrado no plantel e trabalhou sem limitações, o médio deverá fazê-lo este domingo.

O internacional montenegrino, que no último ensaio antes do jogo de Braga sofrera uma entorse do joelho esquerdo, está a reagir bastante bem aos tratamentos a que tem sido submetido e, este sábado, já marcou presença no ginásio para trabalhar a condição física.

Aliás, os responsáveis clínicos já tinham adiantado que a lesão não gerava grande apreensão e a resposta do jogador aos tratamentos tem sido bastante positiva. Ou seja, Vukcevic está a melhorar a olhos vistos e não será surpresa se hoje de manhã for reintegrado no plantel.

Fonte: a Bola

Manuel Machado: «ganhar a um grande em Portugal ou se faz pelo esmagamento ou então só na playstation»



De regresso ao «banco» do Nacional, Manuel Machado mostrou-se muito agastado com a arbitragem do encontro com o FC Porto. «O sentimento que sinto, para além de tristeza, é de impotência e alguma raiva», atirou.

«Fizemos dois jogos com o FC Porto esta época e enquanto estivemos com onze jogadores conseguimos manter o equilíbrio e o resultado a zero, mas sempre houve penalties e expulsões, permitindo até ao FC Porto resultados dilatados», começou por referir Manuel Machado, na habitual flash interview no final do encontro.

O técnico foi ainda mais longe: «A arbitragem em Portugal, em abstracto, não é cristã: ou esqueceu os princípios ou não foi à catequese. Esquece-se que deve tratar de igual por igual o grande e o pequeno. Há um penalty nítido sobre o Edgar, há um pontapé do Falcao no pé do Alex que é penalty e é expulsão. Há o primeiro amarelo para o Alex numa entrada por trás, enquanto o Fernando faz quatro ou cinco faltas consecutivas e nem sequer é penalizado.»

A conclusão que Manuel Machado chega é então curiosa e levou-o mesmo a citar Jorge Jesus, actual técnico do Benfica: «Quando há critérios tão desiguais como ao que assistimos, a tanger a imoralidade, o sentimento que sinto, para além de tristeza, é de impotência e alguma raiva. Parafraseando uma pessoa com quem não tenho relações, nem grande simpatia: ganhar a um grande em Portugal ou se faz pelo esmagamento ou então só na playstation.»

Fonte: a Bola

sábado, 30 de janeiro de 2010

Carlos Martins no melhor e no pior

Bis do internacional português ofereceu vitória (3-1) aos encarnados sendo depois expulso por acumulação de amarelos



O Benfica recebeu o V. Guimarães e venceu por 3-1, em jogo da 17.ª jornada da Liga, que também representou o quarto encontro entre ambas equipas esta época. A águia continua no topo da Liga em igualdade pontual com o Sp. Braga.

A turma da Luz começou ambas as partes mais forte a nível ofensivo e o resultado foi igual, pois conseguiu sempre colocar-se em vantagem.

No primeiro tempo Aimar abriu o marcador, aos 17 minutos, mas os vitorianos conseguiram estancar os lances ofensivos dos «encarnados» e Nuno Assis fez a igualdade aos 32.

Na etapa complementar, os «encarnados» entraram novamente com um grande pendor atacante e Carlos Martins destacou-se pela positiva e pela negativa. O médio bisou aos 50 e 60 minutos. O primeiro com um remate bem colocado e o segundo com uma «bomba» de fora da área.

Carlos Martins acabou por ser expulso aos 72 minutos, recebendo o segundo amarelo por mão na bola. O médio foi admoestado pela primeira vez aos 42 por entrada ríspida sobre Nuno Assis.

A partir da expulsão do português, os vimaranenses soltaram-se e mudaram para uma estratégia mais ofensiva. Só que o Benfica, todavia, não deixou de criar perigo e conseguiu duas oportunidades claríssimas de golo. Cardozo isolou-se e não conseguiu bater Nilson e Éder Luís deixou o guardião dos minhotos desviar a bola para a barra.

Fonte a Bola

Porto foi à Madeira "dar o bailinho"

Bis de Falcão e Varela na goleada (4-0) sobre o Nacional da Madeira



Mesmo com várias «baixas» (Bruno Alves, Raul Meireles, além de Hulk e Sapunaru), o FC Porto não teve dificuldades de maior na Madeira, vencendo por 4-0 o Nacional. Expulsão do estreante Alex Bruno deitou por terra estratégia dos insulares. Falcao e Varela «bisaram».

O Nacional, de novo sob o comando de Manuel Machado, até entrou bem na partida, tendo construído as primeiras oportunidades de golo. Edgar Silva deu o primeiro aviso e também foi protagonista de queda que deixou muitas dúvidas dentro da grande área portista, em lance dividido com Fucile.

Dúvida não houve, pelo menos para o árbitro Carlos Xistra, quando o estreante Alex Bruno tocou em Alvaro Pereira dentro da área de rigor, valendo então a Varela inaugurar o marcador, através da consequente grande penalidade. Mais: o Nacional passou a jogar com 10 jogadores, uma vez que Alex Bruno já tinha visto um «amarelo» em lance anterior, pelo que recebeu o segundo e devida ordem de expulsão.

O Nacional «sentiu» muito o duplo-revés e o FC Porto, que até já tinha perdido também Cristian Rodriguez por lesão (substituído ainda antes do primeiro golo), disso se aproveitou para assumir por completo o domínio da partida. Foi, por isso, com naturalidade que os «azuis-e-brancos» (a jogar de laranja) avolumaram o resultado. Falcao, surgindo a dar a melhor sequência a cruzamentos de Alvaro Pereira, marcou por duas vezes e Varela fechou a conta, «bisando» também no marcador.

Recorde aqui as principais incidências da partida.

Fonte: a Bola

João Tomás está de saída para a equipa de Cajuda

JOÃO TOMÁS, o goleador e grande figura do Rio Ave na primeira volta do campeonato, está de partida para o Al-Sharjah, clube da Liga dos Emirados Árabes Unidos, cuja equipa é orientada pelo técnico português Manuel Cajuda.

O negócio pode conhecer desfecho positivo nas próximas horas, concluindo negociações que já se arrastam desde o início da semana, altura em que o jogador do Rio Ave foi colocado a par do interesse dos árabes.

O presidente do clube apresentou vários nomes ao treinador, mas Manuel Cajuda manteve-se firme e vincou sempre a intenção de poder contar com um jogador que conhecesse bem.

João Tomás esteve sempre entre as prioridades - o outro desejado era o benfiquista Weldon, cujo vencimento travou qualquer investida - e falta apenas uma troca de faxes para o negócio ficar concluído.

O Rio Ave perde a sua principal referência no ataque, mas lucra 50 mil euros com um jogador de 34 anos e que contaria, nesta segunda volta, com maior concorrência pelo lugar (no mercado de inverno chegaram Bruno Moraes e Nélson Oliveira).

Fonte: a Bola

Off Side - os apanhados da bola

Esta semana fiquem com uma "espécie" de tentativa de defesa, ou então de uma simulação, não sei! O autor foi Lenz guarda-redes do Wolfsburg, só ele pode dizer o que lhe passou pela cabeça no jogo de ontem frente ao Hamburgo SV...

Domingos e o título: «Se quando faltarem 10 jornadas continuarmos assim, vamos assumi-lo»



O treinador do Sp. Braga diz que o clube continua a trabalhar «para dar alegrias» aos adeptos e elogiou exibição sólida que deu vitória frente ao Sporting (1-0). Tenta refrear entusiasmo, mas projecta o futuro.

«Tivemos bons momentos no jogo, acabámos por ser felizes na obtenção do golo e isso ajudou em muito. Foi um jogo com muita posse de bola do Sporting, mas nós estivemos muito sólidos. Não fizemos um grande jogo, mas há jogos menos consguidos em que vence a solidez, fomos uma equipa muito compacta», resumiu à flash-interview da RTP.


«Sabemos que há três equipas a lutar pelo primeiro lugar e vamos continuar com esta humildade. Não foi um jogo bem conseguido, mas foi um jogo de grande querer. Vamos continuar a trabalhar da melhor forma, a fazer o nosso caminho e dar alegrias a estes adeptos.»


Mais tarde, na conferência de imprensa, quando confrontado com a perspectiva de assumir-se como candidato ao título., Domingos soltou: «Se quando faltarem 10 jornadas continuarmos assim, vamos assumi-lo, e vamos assumi-lo todos.»

Fonte: a Bola

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

José Maria Pedroto – A memória a um retrato quase esquecido (Parte II)

Pedroto tirou o curso de treinador ainda enquanto jogador, tendo sido o primeiro português a integrar a tão famosa Federação Francesa. Aí, viria a apresentar uma tese com os 17 princípios de jogo da sua própria autoria e à qual viria a obter uma brilhante classificação (entre os 87 inscritos, apenas cinco passaram, sendo Pedroto o único português nesse lote).

Mais tarde e já como treinador, era inovador na concepção táctica, na acção psicológica junto de adversários e na disciplina. Diz-se ter sido o primeiro treinador em Portugal a obrigar os jogadores a aquecerem no relvado antes da palestra para o jogo, o primeiro a introduzir preparadores físicos, o primeiro a obrigar os jogadores a alongarem depois de cada treino e, acima de tudo, o primeiro a estudar verdadeiramente as forças e fraquezas dos adversários.

O bom trabalho na formação do FCP levou-o também à selecção de juniores onde, em 1961, venceu o Torneio Internacional da Uefa, agora denominado de Europeu de Futebol. A primeira experiência com uma equipa sénior foi na Académica, seguindo-se o Leixões e o Varzim. Neste último, revelou a qualidade de jogo que se tornaria na sua imagem de marca, sempre com muita posse de bola e virado para o ataque.

A experiência acumulada permitiu-lhe regressar ao FCP em 1966 onde durante três épocas venceu apenas uma taça de Portugal, imediatamente antes de ser despedido. O momento sucedeu quando o presidente do clube, à data, não quis pagar mais sete contos para que a viagem de regresso da Luz fosse de avião. Aí, Pedroto atirou: “Não posso fazer guerra e poupar balas e gasolina”. Ao ser demitido, exigiu uma indemnização de 400 contos, 300 dos quais por danos morais, o que culminou com a lei de proibição de algum dia poder voltar mais ao FCP.

Orientou, entretanto, no Setúbal, onde teve cinco épocas de grande sucesso, com o melhor campeonato de sempre para os setubalenses, para além de ter chegado 2 vezes aos quartos final da taça Uefa. Entretanto, rumou ao Boavista onde foi vice-campeão e onde venceu, ainda, 2 taças de Portugal.

Num certo dia, aquando do seu habitual convívio num jogo de cartas com o “bitaites”, o Valentim Loureiro, o Pinto da Costa, entre outros, o actual presidente do Porto não tardou a convencer Pedroto a regressar às Antas, não antes da Assembleia Geral decidir anular o despacho que impedia o treinador de voltar a ser funcionário do clube. Consumava-se o regresso de Pedroto ao FCP. O primeiro ano serviu para realizar ajustamentos, os quais viriam a possibilitar a conquista do título de campeão português passados 19 anos. No final, o treinador caracterizou o feito como “a ultrapassagem do complexo da Ponte da Arrábida”, numa clara alusão ao fim da centralização de todos os poderes em Lisboa. Neste período, passou a tornar-se famoso por algumas afirmações públicas como “um brasileiro é bom, dois é demais, três é uma escola de samba”, “temos de lutar contra os roubos de igreja no estádio da Luz”, “passámos de pombinhos provincianos a falcões moralizados” ou “quando disse que Mário Wilson era um palhaço, não estava a querer ofender os palhaços”.

Por fim, a soma de carisma e perspicácia de Pinto da Costa e de Pedroto tinha resultado não só na reorganização de todo o futebol, mas também numa estratégia de afrontamento dos rivais lisboetas e de todos os poderes instituídos. Na terceira época no FCP, não conseguiu atingir o “tri”, acabando por descobrir no início da época seguinte que tinha um cancro nos intestinos. Seguiram-se viagens infindáveis a Londres, numa luta inglória que o impediu de se sentar no “banco” a partir da 10ª jornada. Em 1984 recebeu a ordem do Infante do presidente Ramalho Eanes que se dirigiu ao Porto para lhe entregar, pessoalmente, o prémio.

Faleceu passado um ano, não deixando de concretizar o seu último desejo de beber um whisky (através de uma colher) e fumar um cigarro na madrugada desse dia fatídico. Todavia, já não foi a tempo de ver o FCP campeão europeu no final dessa época, equipa com todos os jogadores e métodos implementados pelo “mestre” (como era designado).

José Maria Pedroto foi uma figura cujo fim trágico e comovente não nos leva simplesmente uma lágrima nos olhos, mas sim a engrandecer o orgulho que toda a sociedade lhe deveria prestar, a ilustridade de uma personalidade inigualável, um treinador com uma dimensão de toda uma estrutura e que, passados 25 anos, é um ícone e exemplo para qualquer treinador português. José Maria Pedroto, que muitos ainda procuram imitar, foi um verdadeiro fenómeno, um conceito projectado para o futuro na sua classe e com alicerces no confronto anímico e popularidade seca e «cabrestre» de um clássico matosinhense. Infelizmente, poucas referências encontramos a seu favor, nem uma estátua, uma homenagem, um grande prémio ou uma denominação que preconize a verdadeira e merecida distinção.

“O verdadeiro calcanhar de Aquiles do nosso futebol reside no simples facto de quase todos pensarmos que, quando saímos dos estádios, já não somos profissionais de futebol”

José Maria Pedroto – Faleceu a 8 de Janeiro de 1985



















Jorge Manuel Honório




"Super" Braga já não pode negar candidatura ao título

Golo solitário de Paulo César deu vitória sobre o Sporting e o Braga fez assim o pleno nas recepções aos "grandes"



O Sp. Braga venceu o jogo grande da jornada 17 e reforçou a liderança, deixando o Sporting a 15 pontos do primeiro lugar.

Sólido, o Sp. Braga jogou «à lider», segurou mais três pontos em casa e continua apenas com um golo sofrido em casa. Pode apontar-se alguma sorte no golo obtido por Paulo César, com ressalto em Tonel, mas o Sp. Braga mostrou-se tranquilo no resto do jogo, mesmo que Eduardo tenha acabado a partida a voar de um lado para o outra da baliza - já depois de se ter lesionado num choque com Pongolle.

Carvalhal fez entrar Matias, Yannick e Pongolle, Domingos Paciência respondeu com Luís Aguiar, Matheus e Renteria, segurou a pressão leonina, mostrou, sem o assumir por palavras, que a disputa do título passa mesmo por Braga, uma vez que FC Porto e Benfica têm ainda de entrar em campo.

Recorde aqui as incidências da partida

Fonte: a Bola

Bracarenses tentam pleno contra um leão em forma



O Sp. Braga recebe esta noite o Sporting, quarto classificado, com o objectivo de manter o a liderança mas também, como consequência, de fazer história - apenas em 12 ocasiões, nas 75 edições do campeonato, um clube conseguiu vencer em casa Benfica, FC Porto e Sporting na mesma época.

O Sp. Braga fê-lo duas vezes (66/67 e 2000/2001), tal como V. Guimarães e Boavista. Melhor só o Belenenses, que alcançou tal feito em cinco ocasiões, quatro delas nos anos 40. O E. Amadora também já o fez.

Pela frente, no entanto, os bracarenses têm uma equipa em forma: há mais de um mês que o Sporting só sabe o que é vencer, com sete triunfos seguidos (três para a Liga, três para a Taça da Liga e um para a Taça de Portugal). Um teste a sério para o líder.

Dirigido por João Ferreira (AF Setúbal), o jogo tem início marcado para as 20.45 horas, no Estádio Municipal de Braga, e será transmitido em directo na RTP 1.


Equipas prováveis:

SP. BRAGA: Eduardo; Filipe Oliveira, Moisés, Rodriguez e Evaldo; Vandinho, Hugo Viana, Alan, Mossoró e Paulo Cesár; Meyong.

SPORTING: Rui Patrício; João Pereira, Tonel, Daniel Carriço e Grimi; Adrien, Izmailov, João Moutinho e Miguel Veloso: Saleiro e Liedson.

Fonte: a Bola

Benfica contrata Franco Jara

AVANÇADO CHEGARÁ NO FINAL DA TEMPORADA

Franco Jara, de 21 anos, vai mesmo ser jogador do Benfica. Os responsáveis do emblema da Luz chegaram a acordo com o Arsenal de Sarandí durante a última madrugada, tendo concluído a transferência do jogador, ainda que esta só se efetive a partir de junho.

Jara permanecerá no Arsenal durante os próximos meses, reforçando o Benfica apenas a partir da próxima temporada, depois de os encarnados se terem comprometido a pagar uma verba a rondar os 5,5 milhões de euros.

O jovem argentino cumpriu recentemente a sua primeira internacionalização pela seleção de Maradona, cumprindo uma noite de sonho ao apontar o golo do triunfo sobre a Costa Rica, por 3-2.

Fonte: Record

Trinco Esquerdo



André Amante

Pedro Mendes no Sporting

O médio despediu-se, esta manhã, dos companheiros do Rangers. O internacional português está a ultimar os pormenores da transferência.



Pedro Mendes troca o Rangers pelo Sporting, neste mercado de Inverno. O internacional português já não treinou, esta manhã, em Glasgow. Antes da sessão, esteve no balneário, despediu-se dos companheiros, dos técnicos e esteve reunido com a direcção do clube.

Depois de esvaziar o cacifo, o jogador prepara-se para viajar para Lisboa, de forma a ultimar todos os detalhes de um contrato que, ao que a Renascença apurou, deverá ter uma duração de duas épocas e meia. Pedro Mendes foi o primeiro objectivo do Sporting, mas os "leões", numa primeira fase, colocaram as negociações em "standby", devido ao elevado salário que o internacional português auferia no Rangers.

José Eduardo Bettencourt apostou, então, em Manuel Fernandes, mas novo desacordo de verbas, desta feita, com o Valencia não permitiu que o negócio tivesse um desfecho positivo. José Mourinho, que não conseguiu o empréstimo de Miguel Veloso, "resgatou" Manuel Fernandes para o Inter.

Numa reacção pronto, o Sporting retomou as conversas com o Rangers e, rapidamente, fechou o acordo com os escoceses. Aos 30 anos, Pedro Mendes regressa a Portugal. O jogador formado nas escolas do Felgueiras e do Vitória de Guimarães, clube onde quer terminar a carreira, passou com sucesso pelo FC Porto, onde se sagrou campeão europeu em 2004. Do Dragão seguiu para a Grã-Bretanha onde consolidou uma imagem de prestígio. Jogou no Tottenham, no Portsmouth e estava há um ano e meio no Glasgow Rangers, clube pelo qual se sagrou campeão escocês.

Fonte: Rádio Renascença

Blogobola



Dêem os vossos palpites e sejam os vencedores semanais...

Kléber a caminho do Porto e Farías faz precurso inverso



Dragões vão pagar seis milhões de euros pelo atacante do Cruzeiro. O brasileiro, conhecido por Gladiador, vai mostrar-se em breve.

Reforço de última hora: Kléber, de 26 anos, vai ser jogador do FC Porto. Atacante de reconhecidos méritos e paixão antiga dos dragões, que já na última temporada o tentaram trazer.

Vem do Cruzeiro, onde até Julho teve o agora benfiquista Ramires a seu lado. E seis milhões de euros é, segundo a imprensa brasileira - o Lance,já de madrugada, destapou a ponta do véu sobre a transferência -, quanto o FC Porto deverá pagar pelo passe daquele que é conhecido no outro lado do Atlântico, entre os adeptos da raposa, por Gladiador.

Sabe a A BOLA que, nas últimas horas, o negócio teve evolução rápida e favorável para os interesses do emblema português, com os dragões a obrigarem o clube mineiro a baixar da fasquia dos 10 milhões de euros inicialmente pedidos (que já fizera recuar o Palmeiras) por Kléber, cujas características se podem comparar às de Hulk, tamanhas são as parecenças na forma de jogar.


Farías no negócio de Kléber

A FC Porto, SAD comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), esta sexta-feira, o acordo com o Cruzeiro para a aquisição de Kléber, num negócio que contempla a cedência de Ernesto Farías ao clube brasileiro.

Os dragões desembolsam cinco milhões e quinhentos mil euros pelo “passe” do avançado, cedendo, a título definitivo, os direitos de inscrição desportiva de Ernesto Farías e 75% dos direitos económicos do jogador argentino.

No comunicado enviado à CMVM, a FC Porto, SAD diz que a formalização final do acordo por Kléber está dependente da realização dos exames clínicos, à qual se seguirá a assinatura do contrato, cuja duração não foi revelada.

Fonte: a Bola

Shaffer no Banfield e Balboa no Cartagena

LATERAL REGRESSA POR EMPRÉSTIMO À ARGENTINA. ESPANHOL EMPRESTADO AO 3º CLASS. DA 2ª LIGA ESPANHOLA

José Shaffer, lateral-esquerdo argentino que o Benfica contratou em maio de 2009 ao Racing Avellaneda, vai regressar ao seu país para representar o Banfield, até final da temporada. O acordo foi conseguido ontem, colocando um ponto final numa situação que, de certa forma, já se tornava angustiante para o Benfica, já que o clube pretendia cedê-lo por duas razões: primeiro porque Jorge Jesus não contava com ele, depois porque o técnico pretendia ver o médio Airton inscrito o mais rapidamente possível (ver outra peça) e essa vaga estava difícil de ser encontrada.

O Benfica chegou a um entendimento com o Banfield, equipa que venceu o Torneio Apertura em 2009, no sentido de ceder o atleta até finais de maio, ou seja, ele poderá fazer todo o Torneio Clausura, que arranca domingo, pelo novo emblema. Se o clube de Buenos Aires pretender, poderá, depois, exercer o direito de opção e adquirir o passe de Shaffer, tal como ficou estabelecido no acordo de cedência.


Balboa regressa às origens

O extremo Javier Balboa foi emprestado até ao final da temporada pelo ao Cartagena, confirmou quinta-feira no seu site oficial o terceiro classificado da segunda divisão espanhola.

O jogador da Guiné-Equatorial, de 24 anos, não fazia parte das opções do treinador do Benfica, Jorge Jesus, que nunca o utilizou esta temporada.

No início da época 2008/09, o Benfica pagou 4 milhões de euros pelo jogador, que nunca se conseguiu impor na equipa encarnada. Javier Balboa actuou em apenas 14 jogos na última temporada, tendo sido apenas uma vez titular com o antigo treinador das águias, o espanhol Quique Flores.

Fonte: Record

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Palestra

Portugal de extremos; Ficamos em Braga, Lisboa ou Madeira este fim-de-semana?

A dúvida das dúvidas, se tivesse que escolher onde é que se fixava este fim-de-semana para ver um jogo da Liga Sagres? Pois é, a escolha não é fácil, de norte a sul e passando pela Madeira, existem motivos mais que suficientes para termos uma jornada cheia de acção e emoção.

Amanhã, Sporting de Braga – Sporting, talvez o jogo grande da jornada, um Sporting que tem vindo em crescendo contra um Sporting de Braga que apesar de manter acesa a chama do primeiro lugar, tem vindo a decair ainda que apenas mentalmente, a meu ver, de jogo para jogo. O próprio jogo frente ao Sporting demonstrou isso, como eu já aqui o referi.

Para este jogo espera-se um Sporting quase na máxima força, mas que sofreu um revés de última hora, Vukcevic é baixa certa no plantel, onde Izmailov era a dúvida e acabou por ser convocado. Após 7 jogos somando só vitórias, a equipa de Carlos Carvalhal tem tudo o que é preciso para fazer um bom jogo frente aos brancarenses.

Quanto aos arsenalistas, Domingos Paciência parece-me dar razão, quando falo do fraco momento psicológico da equipa líder nacional, após uma conferência de imprensa bastante “psicológica”.

Duas equipas em momentos fortes, apesar de tudo, o Sporting pelas 7 vitórias consecutivas, o Braga por ser líder no entanto aposto na oitava vitória leonina, 0-2.

Descendo um pouco no país vimos um Benfica – Vitória de Guimarães, nem mais nem menos a equipa que já travou por duas vezes os encarnados, uma valeu a eliminação do Benfica na Taça de Portugal, a outra a quase eliminação do Benfica na Taça da Liga. No entanto o Benfica na Luz este ano ainda não perdeu para o campeonato, apenas um empate na primeira jornada. Apesar de ser difícil saber o que sairá deste desafio, aposto na vitória encarnada, 2-0

Por fim o Dragão, um pouco constipado, visita um Nacional mais que motivado, com o regresso do seu técnico Manuel Machado. Um jogo imprevisível, muito por culpa do meio-campo portista que para mim não têm a qualidade de anos anteriores e em que Raúl Meireles é pequeno demais para tanto trabalho, ainda assim, 1-1.

Boa Sagres a todos!

Simão Santana

Galeria D´arte

Esta semana foi o Argentino Carlos Tevez que nos deixou esta "prenda". Um golo só ao alcance dos melhores...

Prediguer no Boca Juniors



Empréstimo discutia-se ontem à noite, é uma cedência sem encargos nem opção e o jogador voltará em Junho.

Sebastian Prediguer vai jogar meio ano (ou mais concretamente 115 dias) com as cores do grande Boca Juniores, de acordo com a tendência que se verificava ao fim da noite de ontem.

O irmão e agente, Ezequiel Prediguer, veio a correr ao Porto tentar uma solução «interessante» para todas as partes: «Ele precisa de jogar, e não poderia ser em qualquer clube. A oportunidade de jogar no Boca é rara, e penso que o FC Porto também ficaria contente, é uma perspectiva enorme de valorização», explicava Ezequiel a A BOLA, ainda sem dar o rumo totalmente definido, mas acreditando que «ele ainda viajará a tempo de ver o primeiro jogo do campeonato Apertura, no domingo, e ser apresentado a milhares de pessoas».

Prediguer andava à procura de uma solução circunstancial, e as hipóteses que tinha (Rosário Central e Espanhol) não impressionaram o FC Porto. Até que surgiu a possibilidade de empréstimo ao Boca, que já tinha tentado Bolatti, mas não cedendo Viatri... não teve o novo médio da Fiorentina.

O empréstimo é gratuito, o FC Porto paga integralmente os salários, Prediguer está na montra certa para tentar chegar ao Mundial. Resta saber se, no meio desta operação, ainda há possibilidades de 'chegar' a Viatri, pois Kléber é caríssimo.

A EMS, farmacêutica que investiu a maioria dos oito milhões de euros no seu passe, pressiona pela venda. Mas para o FC Porto, o tempo aperta muito.

Fonte: a Bola

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

PROSEGUR acusa representantes da Liga de "deturparem factos"

EMPRESA "REPUDIA" DEPOIMENTOS SOBRE OS INCIDENTES NO BENFICA-FC PORTO



A PROSEGUR acusou esta quarta-feira o diretor de operações da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e o delegado daquele organismo ao jogo Benfica-FC Porto de 20 de dezembro de "deturparem a realidade dos factos nos incidentes verificados".

"Recentemente foram divulgados, pela comunicação social, depoimentos prestados no processo de audição, designadamente do delegado e do diretor de operações da Liga ao referido jogo, que deturpam a realidade dos factos, devidamente comprovados por imagens e declarações", disse à Lusa fonte próxima da administração da empresa, a qual, garante, "tem procurado adoptar uma posição equidistante de toda a polémica relacionada com os incidentes no túnel do estádio da Luz, aquando do último Benfica-FC Porto".

No entanto, a empresa prestadora de serviços de segurança privada em recintos desportivos entende que os depoimentos prestados pelos dois responsáveis da Liga merecem "o repúdio e constituem mesmo uma falta de respeito pelos stewards que foram agredidos no correcto desempenho das suas funções", cita a Lusa.

A PROSEGUR acrescenta que está a dar todo o apoio aos seus dois colaboradores, "que foram agredidos no desempenho das suas funções, tal como está devidamente documentado e comprovado e que entenderam apresentar queixa por ofensas corporais".

A empresa afirma ainda que se reserva "ao direito de avaliar o relatório definitivo, proceder às lógicas e adequadas medidas que defendem a imagem da empresa e dos seus colaboradores".

No último Benfica-FC Porto, relativo à 14.ª jornada da Liga, que terminou com a vitória dos encarnados por 1-0, terão ocorrido incidentes no túnel da Luz, os quais motivaram a suspensão preventiva dos jogadores portistas Hulk e Sapunaru, alegadamente acusados de terem agredido funcionários daquela empresa de segurança.

Fonte: Record

Renan é o escolhido para a vaga no lado esquerdo Vimaranense

Renan é o esquerdino escolhido para reforçar o plantel do V. Guimarães. O jogador encontrava-se ao serviço do Fortaleza, mas o seu passe pertence ao Atlético Mineiro, que há dois anos o cedeu aos espanhóis do Celta de Vigo.

De acordo com informações recolhidas no Brasil, as negociações estão bastante adiantadas e o jogador deverá chegar a Portugal nas próximas horas.

Apesar de ser médio, adapta-se facilmente à defesa e também aprecia envolver-se nas acções ofensivas da equipa. Ou seja, um polivalente que acabará por preencher várias posições deficitárias no actual plantel vimaranense.

Está pois definitivamente encontrado o jogador que há muito os responsáveis do V. Guimarães procuravam para reforçar o grupo de Paulo Sérgio. Renan Garcia, de 23 anos, é um futebolista experiente, contando com passagens, além do clube galego, pelos dinamarqueses do Brondby.

Fonte: a Bola

Mourinho: «Veloso é um bom jogador»

TREINADOR AGRADADO COM O MÉDIO PORTUGUÊS



Com Patrick Vieira fora de cena, a imprensa italiana tem sido incansável na busca pelo médio a contratar pelo Inter de Milão. O francês não era muito utilizado mas a sua saída resultou em menos uma opção para o miolo dos "nerazzurri", pelo que não se estranharia se os milaneses se decidissem por uma contratação.

Na conferência de imprensa que serviu de antevisão para o desafio entre o Inter e a Juventus, da Taça de Itália, Mourinho foi confrontado com duas hipóteses: Hernanes, médio brasileiro do São Paulo, e Miguel Veloso, centro-campista polivalente dos leões. O treinador não fugiu ao desafio e comentou a situação de ambos.

"Considero-os dois bons jogadores, mas as suas situações são complicadas e não correspondem ao que o Inter pretende neste momento", começou por dizer Mourinho, antes de se referir a Miguel Veloso num tom bastante elogioso: "O Veloso é um jogador muito importante para o Sporting. Vai jogar agora uma meia-final da Taça da Liga contra o Benfica e os quartos-de-final da Taça de Portugal contra o FC Porto. O Sporting está em quarto lugar e pretende entrar na Liga dos Campeões, pelo que não nos poderá emprestar um jogador como ele, nem o Inter está interessado em pagar a quantia exigida pelo clube."

Nas palavras de Mourinho facilmente se depreende a admiração pelo internacional português, de 23 anos. Sobre Hernanes, "Lo Speciale" admite não estar tão bem informado, pelo que a sua preferência parece cair sobre o médio verde-e-branco. "Não conheço o Hernanes tão bem como conheço o Veloso que vejo todas as semanas na televisão, mas também me agrada o seu estilo", concluiu José Mourinho.

Fonte: Record

Airton com garantia que será inscrito



O limite de inscrições, que tem impedido Airton de ver a sua situação regulamentar resolvida, está em vias de ser solucionado com a saída de Keirrison, o que está a acalmar o futebolista, numa altura em que faltam poucos dias para o encerramento deste período de mercado (segunda-feira que vem).

«O Benfica deu a garantia de que o Airton vai ser inscrito a tempo de poder jogar essa época e acredito, por isso, que brevemente as coisas vão estar resolvidas», explicou ontem a A BOLA Jorge Moraes, representante do jogador, que deve regressar hoje ao Brasil, depois de ter acompanhado a família (mulher e filha de Airton) na viagem entre o Rio de Janeiro e Lisboa.

O empresário aproveitou, obviamente, alguns dias de permanência no nosso País para se inteirar das questões em torno da inscrição de Airton e confessa-se descansado, tal como o jogador. «Airton não está preocupado com o risco de poder ficar impedido de jogar, pois o Benfica deu a garantia e acredito que vai resolver o problema», explicou.

Neste momento, o médio é o único dos três reforços - os avançados Alan Kardec e Éder Luís completam o trio - que ainda não está autorizado a jogar, por questões de ordem burocrática.

Fonte: a Bola

Desafio Difícil

Esta semana tem que nos dizer o que faz actualmente Akwá, ex-jogador do Benfica e ex-capitão da selecção angolana de futebol???



Acerte e habilite-se a escrever na rubrica "Expert da Bola"...

Leixões pago para travar o Benfica

JOGADORES DE MATOSINHOS CONFIRMARAM INCENTIVOS

O empresário Jorge Teixeira está sob investigação a cargo do Ministério Público por alegadamente ter abordado os três capitães do Leixões (Nuno Silva, Hugo Morais e Joel) e feito uma oferta de 50 mil euros para os matosinhenses conseguirem pontuar no Estádio da Luz - em jogo relativo à 6.ª jornada do campeonato.

Jorge Teixeira, filho do ex-presidente do Leixões, José Manuel Teixeira, já foi mesmo constituído arguido num processo que poderá ir muito além deste Benfica-Leixões, que terminou com a vitória dos encarnados por 5-0, a 26 de setembro do ano passado. A investigação do MP envolve, desde logo, o Sp. Braga, porque terá sido em nome do clube bracarense que a oferta foi feita. De resto, no decorrer da investigação, os próprios capitães do Leixões terão admitido que, nessa abordagem, Jorge Teixeira prometeu o referido prémio envolvendo o nome do Sp. Braga.

O presidente do Leixões, Carlos Oliveira - que só tomou conhecimento da situação a posteriori -, mostrou-se indignado e falou com os três jogadores, que lhe confirmaram os contactos por parte de Jorge Teixeira. Nuno Silva, Hugo Morais e Joel, apurou o nosso jornal, confessaram inicialmente o caso ao treinador José Mota
enquanto a equipa viajava, no próprio dia do jogo, em direção a Lisboa.

Existem várias questões suscitadas no inquérito que está em andamento e, desde logo, uma delas é apurar se o referido empresário dispõe de condições para, em nome individual, realizar uma ação desta
grandeza de valores, embora Record também saiba que a investigação procura simultaneamente saber se existe algum grau de relação entre Teixeira e o clube que lidera o campeonato. Por outro lado,
António Salvador, presidente do Braga, terá ele próprio tomado a iniciativa de denunciar o caso à polícia no momento em que tomou conhecimento que o nome do seu clube aparecia envolvido nesta história.

De acordo com fonte junto do processo, este dossier iniciado a partir do Benfica-Leixões será apenas uma pequena parte de uma investigação mais alargada. Que, neste momento, até já deverá incluir a análise a mais jogos da Liga Sagres - com vista a apurar se existem outras ofertas e de que género, procurando o MP aí
encontrar casos de infração mais grave, como por exemplo aliciamento para uma equipa se deixar derrotar. Nesse caso, a prática já configuraria corrupção.


"Jó" não era apenas o filho do presidente

O homem que está no olho do furacão é um jovem de 32 anos que tentou fazer uma carreira de futebolista. Jorge Teixeira, conhecido apenas por "Jó" entre os seus amigos mais próximos, foi jogador do FC Porto nas camadas jovens e ainda tentou como sénior afirmar uma carreira de futebolista, tendo jogado no Torre de Moncorvo.

Jorge é filho de José Manuel Teixeira, presidente do Leixões nos anos em que a equipa, sob as ordens de Carlos Carvalhal, conseguiu estar presente na final da Taça de Portugal (época de 2002/03) e regressar às competições europeias. Já muito próximo do clube, Jorge Teixeira acabou por ascender ao cargo de gestor
desportivo, acompanhando os últimos meses da presidência do seu pai, um antigo jogador do Leixões conhecido pela sua raça.

José Manuel Teixeira assumiu a presidência do clube escorado também no facto de na altura ser casado com Sílvia Carvalho, filha de um dos principais acionistas da SAD, o empresário da área dos congelados Manuel Carvalho. Tudo ficou mais difícil para José Manuel Teixeira quando se separou de Sílvia, tendo permanecido na estrutura do clube já quando Carlos Oliveira assumiu a presidência da SAD, mas saindo do clube no ano em que este conseguiu finalmente ascender, sob o comando de Vítor Oliveira, à 1.ª Divisão (época de 2006/07).

Jorge Teixeira saiu mais cedo que o pai, depois de chegar a acordo com o Leixões, tendo a administração alegado que tinha um vencimento incomportável com as suas funções. A atual administração terá detetado também situações que a levaram a romper com Teixeira pai e filho, que desde então se têm mantido
numa oposição apagada à equipa conduzida por Carlos Oliveira. Jorge Teixeira enveredou então pela carreira de empresário de jogadores, aproveitando os contactos privilegiados que tinha com alguns protagonistas do futebol. Era conhecida a sua ligação a José Gomes, atual treinador adjunto de Jesualdo Ferreira no FC Porto, ao qual chegou mesmo a organizar uma festa de homenagem depois da passagem, sem sucesso, deste treinador pelo Leixões.

Note-se que o pai de Jorge Teixeira surgiu nas últimas eleições autárquicas a apoiar a candidatura de Narciso Miranda, antigo presidente da Câmara de Matosinhos que perdeu as autárquicas do passado dia 11 de outubro para Guilherme Pinto, de quem Nuno Oliveira, um dos filhos de Carlos Oliveira, é o n.º 2 no executivo.

O Benfica-Leixões de que agora se fala aconteceu duas semanas antes.



Expulsões, polémica e goleada

O Benfica-Leixões, que agora está a ser investigado pelo Ministério Público, foi um jogo envolto em polémica em que o Leixões acabaria a partida apenas com 9 elementos em campo, fruto das expulsões de Pouga (27') e Nuno Silva (54') por parte do árbitro João Capela.

Apesar do juiz lisboeta ter tido decisões acertadas ao mostrar o cartão vermelho aos dois jogadores matosinhenses (ambos por contínuo recurso a faltas perigosas), o técnico José Mota não calou a indignação no final da partida. "A expulsão de Pouga foi a pedido dos jogadores do Benfica", afirmou o técnico do Leixões.
Contudo, e tendo em conta as análises da maioria dos jornais no dia seguinte ao encontro, ficaram ainda duas grandes penalidades por marcar a favor dos encarnados: aos 15' falta de Nuno Silva sobre Cardozo na grande área e aos 37' por carga de Tucker sobre Ramires. Dois lances numa altura em que o resultado persistia ainda num nulo que só seria desfeito já nos descontos concedidos por João Capela na primeira parte, quando David Luiz desviou de cabeça um livre lateral cobrado por Pablo Aimar. No segundo tempo, o Benfica viria a marcar mais 4 golos por Cardozo (2), Ramires e Maxi.

Fonte: Record

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Canto Curto

A excepção à regra... que devia ser exemplo!

Esta semana, durante o visionamento de mais um jogo da CAN, essa competição que tem ocupado os amantes da modalidade nas últimas semanas, tive o prazer de conhecer Benouza Mohamed. Nada mais, nada menos que o árbitro do encontro dos quartos-de-finais que opôs Angola ao Gana e, que por acaso até foi o derradeiro encontro dos Angolanos, onde acabaram eliminados por um golo de Asamoah Gyan.
Mas não vou falar do jogo, apenas de uma situação protagonizada pelo juiz Argelino que apitou o jogo. A meio da primeira parte, o senhor Mohamed tornou-se numa excepção à regra, ao tomar uma medida que é muito raro ser vista nos seus colegas de profissão. Eu digo excepção, porque pelo menos eu, não tenho conhecimento de outro caso semelhante, mas isso não impede que isto já tenha acontecido anteriormente. Uma coisa é certa, que é raro, é! Ora bem, o senhor do apito, depois de mais um ataque falhado da parte de Angola e depois de a bola já estar na posse do guarda-redes Ganês, assinalou algo que deixou tudo muito espantando. Os mais distraídos certamente que imaginaram ali uma manobra de diversão, só com o intuito de de favorecer a equipa da casa. Cedo percebi que a única coisa que o arbitro podia marcar naquela situação eram os segundos que o guardião Ganês esteve com a bolas nas mãos... mas não quis acreditar! Afinal de contas essa é aquela regra que está nas leis, mas que ninguém se preocupa com ela, ou melhor ninguém a assinala. Pois é, aqui à um par de anos, aquando duma das últimas alterações de leis do jogo por parte da FIFA, ficou decidido que os guarda-redes apenas poderiam ter a bola nas mãos durante 6 segundos. Certo, é que até ao dia em que o senhor Mohamed se lembrou desta regra, mais nenhum o havia feito. Esquecimento dizem uns, bom-senso dizem outros, também dizem que ligar a isso é ser perfeccionista. Mas se as leis existem são para ser aplicadas. Aliás no futsal existe regra semelhante, só com a nuance de os segundos serem apenas 4, e são sempre contados pelos dedos dos árbitros.
Eu não quero com isto pedir ou exigir que os árbitros façam disto um exemplo, e que contem sempre os seis segundos. Mas mais importante que isso, era que os árbitros ao começarem a tomar isto por medida, acabassem com o vício de alguns guarda-redes. Guarda-redes esses que seis segundos é apenas metade do tempo que têm a bola nas mãos. Portanto, trata-se de puro anti-jogo e para combater esse mesmo anti-jogo fora criada a tal regra dos seis segundos.
Melhor ainda que acabar com o vício dos guarda-redes ao tomar estas medidas, era que quando se acabasse o tal vício, acabava também mais uma razão para os adeptos mais ferrenhos e facciosos se travarem de razões. O que é o mais habitual no nosso futebol, e como casos já são muitos, sempre se acabava com mais um desses propulsores de razões descabidas para tantas discussões clubistas. Até porque no que toca a este aspecto, nenhum adepto de nenhum clube português leva vantagem... porque não há um único guarda-redes na Liga Sagres que não cometa esta infracção!
Resta esperar que os homens do apito, pelo menos os portugueses, tivessem de olhos postos na "magia" da CAN, para ter em conta o exemplo que o árbitro Argelino deu ao mundo do futebol.

João Vasco Nunes

Aimar multado por simular “penalty”



Pablo Aimar foi multado em 750 euros pela Comissão Disciplinar da Liga, por ter simulado uma grande penalidade no jogo com o Nacional, relativo à 8.ª jornada da Liga.

De acordo a deliberação hoje divulgada, o jogador argentino protagonizou «simulação evidente de grande penalidade inexistente ao minuto 48, na 2.ª parte do jogo» em causa, que os encarnados venceram por 6-1.

O comportamento de Pablo Aimar é considerado grave pelo Regulamento Disciplinar, enquadrando-se no artigo 122.º que prevê «simulação evidente de grande penalidade inexistente, que provoca decisão errada da equipa de arbitragem, sem benefício para a sua equipa na atribuição final dos pontos em disputa».

Fonte: a Bola

Pinto da Costa suspenso três meses



O presidente do FC Porto foi hoje suspenso três meses pela Comissão Disciplinar da Liga, pelo incumprimento da pena de suspensão aplicada no âmbito dos processos disciplinares respeitantes ao “Apito Dourado”.

Em causa as declarações proferidas por Pinto da Costa na qualidade de presidente da SAD azul-e-branca «sobre a competição desportiva Liga Sagres organizada pela LPFP no dia 1 de Outubro de 2009, por ocasião do Simpósio Internacional de Futebol, na Maia», e no dia 5 do mesmo mês, «na comemoração do 75.º aniversário do Futebol Clube de Infesta, e divulgadas pelos órgãos de comunicação social».

Fonte: a Bola

Pérolas do FM

Esta semana aprensenta-mos Johnnier Montaño, ex-jogador do Parma. Avançado colombiano que era um grande diamante da versão CM 01/02. Hoje em dia anda "perdido" pelo campeonato peruano...

«Derby» de Lisboa nas meias-finais da Taça da Liga

O sorteio das meias-finais da Taça da Liga ditou encontro entre Sporting e Benfica, no Estádio de Alvalade, a 10 de Fevereiro. Na outra partida, o FC Porto receberá a Académica.

Reedição da final do ano passado, marcada por grande polémica, com vitória do Benfica. Já o Sporting, que tinha a certeza de jogar em Alvalade nestas meias-finais, visto ter tido o melhor registo da fase de grupos, terá assim mais um jogo duro em Fevereiro, uma vez que também vai encontrar o FC Porto no dia 3, para as meias-finais da Taça de Portugal.

Fonte: a Bola

«Chalana era um dos meus ídolos» – Figo



Luís Figo explicou no final do Jogo Contra a Pobreza o abraço que deu a Fernando Chalana, quando o antigo jogador do Benfica entrou no relvado do Estádio da Luz: «Era um dos meus ídolos».

«O Chalana era um dos meus ídolos. Aprendi a admirá-lo como jogador e fiquei extremamente feliz por ter tido a oportunidade de pisar o mesmo relvado que ele», confessou o actual dirigente do Inter de Milão, desde há muito associado a causas humanitárias.

«O que se queria, e penso que foi conseguido, era ter muita gente no estádio e contribuir com o máximo possível para uma causa importante», referiu Luís Figo, admitindo ter sido «agradável rever amigos».

Fonte: a Bola

Trinco Esquerdo



André Amante

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Benfica All Star-Amigos de Zidane, 3-3



Chuva de estrelas no Estádio da Luz, com 51 312 espectadores a verem o Jogo Contra a Pobreza, cujos lucros serão canalizados para a ajuda humanitária ao Haiti.

Grande noite na Luz, comm um misto de saudade e solidariedade e um incrível concentração de estrelas de todas as idades.

O resultado foi o menos importante, mas acabou 3-3, com dois golos de Nuno Gomes e Éder Luís para o Benfica, Kaká, Robert Pires e Bhutia para os Amigos de Zidane.

Recorde o desenrolar da partida:

Fonte: a Bola

Sá Pinto: «Peço aos adeptos para apoiarem Liedson»

EX-DIRECTOR DIZ QUE FOI OFENDIDO MAS NÃO GUARDA RANCORES

Sá Pinto explicou, numa declaração pública sem direito a perguntas por parte dos jornalistas, a sua versão dos acontecimentos ocorridos no decorrer (e no final) do jogo entre Sporting e Mafra - referente aos oitavos-de-final da Taça de Portugal - e que levaram à sua saída do cargo de director do futebol do clube de Alvalade.

Embora realçando que não guarda rancores a Liedson, jogador com quem se envolveu num confronto físico no balneário da equipa, Sá Pinto fez questão de dizer que foi a postura errada do luso-brasileiro que o levou a reagir "com mais emoção do que razão". De forma bem directa, o ex-dirigente realçou que, não estando em causa as qualidades futebolísticas do avançado, Liedson "precisa de rever e rectificar a sua postura enquanto profissional".

Justificando a sua comunicação tardia com o facto de não pretender prejudicar a concentração da equipa, Sá Pinto disponibilizou-se para, como sempre, poder servir o clube do coração no futuro.

Numa mensagem dedicada "à melhor massa associativa do mundo", Sá Pinto pediu para que os adeptos não deixem de apoiar o grupo comandado por Carlos Carvalhal. E fez mesmo questão de salientar para "apoiarem o Liedson".

Fonte: Record

FC Porto – Sporting nos quartos-de-final



O sorteio dos quartos-de-final da Taça de Portugal, realizado na manhã desta segunda-feira, ditou «clássico» no Dragão entre FC Porto e Sporting, agendado para 2 de Fevereiro.

O encontro será o primeiro do programa dos quartos-de-final, uma vez que o Sporting pediu a antecipação em virtude de ter o calendário apertado devido à presença na Liga Europa.

Para dia 3, quarta-feira, ficam os restantes três jogos. O Sp. Braga recebe o Rio Ave, naquele que será o outro encontro entre equipas do escalão-maior. O Paços de Ferreira recebe o Desp. Chaves, da II Liga, enquanto a Naval vai visitar o terreno do Pinhalnovense, representante da II Divisão.

Eis o sorteio completo:

FC Porto (IL) - Sporting (IL), 2 Fevereiro
Sp. Braga (IL) - Rio Ave (IL), 3 Fevereiro
Paços de Ferreira (L) - Desp. Chaves (IIL), 3 Fevereiro
Pinhanovense (II) - Naval 1.º de Maio (IL), 3 Fevereiro

Fonte: a Bola

Diakité por Miguelito



Belenenses cede o médio e recebe o lateral-esquerdo. Negócio define empréstimos até ao final da época, com opção de compra.

O Marítimo conseguiu assegurar o concurso de Diakité, por empréstimo, até ao final da temporada, e em troca o Belenenses recebe o lateral-esquerdo Miguelito, em idênticas condições.

Mourtala Diakité, de 29 anos, é um médio maliano com bastante experiência do futebol português, pois já jogou no Beira-Mar e no Boavista antes de vestir a camisola azul do clube do Restelo, o que acontece há quase duas épocas, depois de uma experiência falhada no Dínamo de Bucareste, da Roménia.

O jogador, que também joga com regularidade como defesa-central, é hoje esperado na Madeira para se integrar imediatamente no plantel. No final da época, os insulares poderão adquirir o passe, uma vez que foi fixada uma cláusula de opção para esse efeito.

Miguelito, de 28 anos, chegou ao Funchal há três anos, proveniente do Sp. Braga, mas não vinha sendo opção para a primeira equipa maritimista, pela qual apenas disputou seis jogos na Liga e um na Taça da Liga.

Aliás, o lateral-esquerdo cumpriu ontem a sua segunda partida pela equipa B do Marítimo, frente ao União, sinal de que Van der Gaag não via nele uma primeira opção.
Rafael Miranda lesionado.

Fonte: a Bola

domingo, 24 de janeiro de 2010

Académica junta-se aos três "grandes" nas meias-finais da Carlsberg Cup



GRUPO A

1.ª jornada, 3 e 5 janeiro
FC Porto 1-0 Leixões
Académica 2-1 Estoril

2.ª jornada, 13 janeiro
Académica 0-0 FC Porto
Estoril 1-1 Leixões

3.ª jornada, 24 janeiro
Estoril 0-2 FC Porto
Leixões 0-1 Académica


Classificação Jogos Pontos Vitórias Empates Derrotas Golos
1 FC Porto 3 7 2 1 0 3-0
2 Académica 3 7 2 1 0 3-1
3 Estoril 3 1 0 1 2 2-5
4 Leixões 3 1 0 1 2 1-3


GRUPO B

1.ª jornada, 3 janeiro
Sporting 2-1 Sp. Braga
U. Leiria 1-1 Trofense

2.ª jornada, 13 janeiro
U. Leiria 1-2 Sporting
Trofense 1-0 Sp. Braga

3.ª jornada, 24 janeiro
Trofense 0-1 Sporting
Sp. Braga 4-1 U. Leiria


Classificação Jogos Pontos Vitórias Empates Derrotas Golos
1 Sporting 3 9 3 0 0 5-2
2 Trofense 3 4 1 1 1 2-2
3 Sp. Braga 3 3 1 0 2 5-4
4 U. Leiria 3 1 0 1 2 3-7


GRUPO C

1.ª jornada, 3 janeiro
Benfica 1-0 Nacional
V. Guimarães 1-2 Rio Ave

2.ª jornada, 13 janeiro
V. Guimarães 1-1 Benfica
Rio Ave 1-1 Nacional

3.ª jornada, 24 janeiro
Rio Ave 1-2 Benfica
Nacional 1-0 V. Guimarães


Classificação Jogos Pontos Vitórias Empates Derrotas Golos
1 Benfica 3 7 2 1 0 4-2
2 Rio Ave 3 4 1 1 1 4-4
3 Nacional 3 4 1 1 1 2-2
4 V. Guimarães 3 1 0 1 2 2-4



Di Maria coloca Benfica na próxima fase

RIO AVE: Mora; José Gomes, Gaspar, Fábio Faria e Sílvio; Vítor Gomes (Wires, 68), Vilas Boas e Tarantini; Bruno Gama, Chidi e Adriano. Suplentes: Trigueira, Ricardo Chaves, Evandro, Jefferson, Wesllem, Sidnei e Wires

BENFICA: Moreira; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz e Fábio Coentrão; Carlos Martins, Javi Garcia, Pablo Aimar (Kardec, 63) e Di María; Saviola (Ramires, 78) e Cardozo. Suplentes: Quim, Ruben Amorim, Ramires, Nuno Gomes, Miguel Vitor, Kardec e Eder Luis.

Marcador: 0-1 por Carlos Martins (48); 1-1 por Bruno Gama (53, g.p.); 1-2 por Di Maria (75)


Orlando Sá estreia-se a marcar no triunfo que valeu a passagem do Porto

ESTORIL: Leão; Marco Silva, Jardel, Luiz Alberto e Ismaily; Erick (Bruno Matias, 75m) e Ângelo Varela; Lulinha, João Coimbra e Raphael; Rodrigo Hote (Antchouet, 56m).

Suplentes: Paulo Santos, Eusébio, Arthur, Tiago Conceição e Joãozinho.

Treinador: Manuel Gomes “Neca”

F.C. PORTO: Nuno; Miguel Lopes, Rolando, Maicon e Nuno André Coelho (Álvaro Pereira, 46m); Tomás Costa, Rúben Micael (Sérgio Oliveira, 83m) e Guarin (Falcao, 46m); Belluschi, Orlando Sá e Mariano.

Suplentes: Beto, Prediger, Ba e Valeri.

Treinador: Jesualdo Ferreira.

Disciplina: cartão amarelo para Marco Silva (24m), Erick (47m), Ângelo Varela (55m).

Golos: 0-1, por Belluschi (54m); 0-2, por Orlando Sá (78m).


Liedson resolve jogo e qualificação

Trofense: Marco; Bruno Sousa (Charles Chad, 79), Cláudio, Pedro Ribeiro e Igor; Tiago, Mércio (David Caiado, 67), Hélder Sousa e Romeu Ribeiro; Mustafa (Reguila, 46) e Williams

Suplentes: Vítor, Ginho, Jorge Luiz e Thiago Bento

Sporting: Rui Patrício; João Pereira, Tonel, Carriço e Grimi; Adrien; Matias (Pereirinha, 75), João Moutinho e Miguel Veloso (Pedro Silva, 90+2); Liedson (Yannick, 88) e Saleiro

Suplentes: Tiago, Anderson Polga, Hélder Postiga e Abel

Disciplina: Cartão amarelo para João Moutinho (32), Grimi (42) e Igor (51)

Marcadores: 0-1, Liedson (37)

Resultados Taça de Portugal

Hoje:

D. Chaves - Beira-Mar 1-0 (Diop)

Camacha - Pinhalnovense 0-1
Nacional - Paços de Ferreira 1-2
Aliados Lordelo - Naval 0-1
Rio Ave - Guimarães 2-2 (4-2 g.p.)
Freamunde - Sp.Braga 1-3
Belenenses - FC Porto 2-2 (9-10 g.p.)
Sporting - Mafra 4-3

Castigo aponta a 6 meses


LIGA JÁ ENVIOU A NOTA DE CULPA A HULK E SAPUNARU

A Comissão Disciplinar (CD) da Liga já deduziu a acusação do processo resultante dos incidentes que ocorreram no túnel da Luz. A punição a Hulk e Sapunaru será enquadrada na moldura mínima prevista, que determina um castigo por 6 meses, mas que podia chegar até aos 3 anos.

A sanção que pende sobre o brasileiro e o romeno, saliente-se, não depende, em nenhuma medida, da utilização de imagens das câmaras de videovigilância, dado que as agressões de que estão a ser acusados, a seguranças do Benfica, constaram dos vários relatórios (árbitro, polícia e delegados) que chegaram até ao órgão presidido por Ricardo Costa.

Agora, as partes envolvidas, entre as quais o Benfica, que também pode sofrer uma multa, têm 5 dias para apresentação da sua defesa. O instrutor Renato Dias Santos dispõe, a partir daí, de mais 5 dias para inquirir testemunhas e reunir elementos de prova. Finda a instrução, os arguidos possuem ainda 2 dias para se pronunciarem acerca do direito a aplicar à matéria de facto, após o que estão previstos mais 2 dias para que seja produzido o relatório final com a pena aplicável. Apesar de todos estes procedimentos, a CD da Liga pretende encerrar o processo em meados de fevereiro.

Provocações

A partir de agora, o FC Porto vai procurar atenuantes que possam reduzir as penas de Hulk e Sapunaru. O principal argumento dos azuis e brancos, segundo Record apurou, reside na existência de provocações por parte dos seguranças do Benfica. Nesse âmbito, a apreciação de imagens do túnel por parte da CD da Liga até poderia ser benéfica para as teses portistas. Caso vingue a pena de suspensão por 6 meses, os atletas perdem o resto da época e Hulk diz adeus ao Mundial da África do Sul

Fonte: Record

Mexer volta a Lisboa esta semana



Central moçambicano já terminou participação no CAN e vem definir o futuro.

Na aproximação da reabertura do mercado de Inverno, Mexer foi a primeira contratação do Sporting, ainda antes de João Pereira e Sinama-Pongolle.

Mas a situação do defesa-central, ex-Desportivo de Maputo, é diferente, pois, ao que tudo indica, deve ser cedido por empréstimo até final da temporada. E é para definir o futuro que o moçambicano prepara o regresso a Lisboa, que deve acontecer esta semana.

O jogador esteve ao serviço da selecção de Moçambique, que já terminou a participação no Campeonato Africano das Nações (CAN), e está agora a tratar do visto para voltar a Portugal.

Uma vez em Lisboa, vai ouvir o que a administração do Sporting lhe reservou. O empréstimo é o cenário desenhado mas, sabe A BOLA, Mexer ainda não perdeu a esperança de poder integrar a equipa principal dos leões.

Fonte: a Bola

PSG dá 3 milhões pela passe de Yebda

MÉDIO JÁ ADMITIU INTERESSE EM DEIXAR A LUZ

As prestações de Yebda com a camisola do Portsmouth e da seleção da Argélia reabriram-lhe as portas da liga francesa. O PSG pretende reforçar o respetivo plantel com o médio de 25 anos e mostra-se disposto a avançar com 3 milhões de euros pelo passe do atleta. Este valor fica um pouco aquém das pretensões das águias que, no acordo de empréstimo assinado com o emblema inglês, fixou o valor de referência para a transferência em 5 milhões de euros.

Por seu lado, o presidente dos parisienses, Robin Leproux, confrontado com o interesse no futebolista, limitou-se a referir que continua atento ao mercado: "Trabalhamos 24 horas para conseguirmos reforçar o plantel. Analisamos cautelosamente todos os jogadores que nos possam interessar e posso garantir que só vamos avançar para aqueles que nos assegurem um elevado rendimento".


Receptivo

O gaulês de ascendência argelina já manifestou o interesse de deixar o Benfica e abriu as portas à mudança para a capital francesa. Em Inglaterra, apesar de ter conquistado o estatuto de titular indiscutível na equipa orientada por Avram Grant, Yebda sofre as consequências da grave crise financeira que os pompeys atravessam. Os responsáveis do emblema britânico já fizeram saber que vão deixar sair alguns jogadores no mercado de inverno para reduzirem as despesas.

Fonte: Record

sábado, 23 de janeiro de 2010

Peixe: "Eu e o Fehér jogámos squash às escondidas do FC Porto"

O actual seleccionador dos sub-16 fazia de Carlos Manuel nos jogos de rua e deixou o futebol depois da morte do grande amigo húngaro



Dentro do campo, era um leão. Por defeito (de formação). Fora dele, é um senhor. Simpático e acessível. Desprendido e bem-humorado. Peixe é o seleccionador nacional dos sub-16 mas tem uma carreira ímpar como futebolista, que começou aos 13 anos em Alvalade, a dormir numa cama improvisada no meio do centro de estágio do Sporting, e acabou aos 30 em Leiria, devido ao desgaste físico e, sobretudo, emocional, relacionado com a morte do seu grande amigo Miklos Fehér.

Pelo meio, foi eleito o melhor jogador do Mundial de juniores em 1991, coleccionou nove títulos, representou os três grandes do futebol nacional, foi internacional AA e ainda se aventurou lá fora, no Sevilha, sem esquecer os convites formais de Juventus, via telefone com Rui Barros, e Fluminense. Nesses tempos, Peixe fumava para descontrair e jogava por prazer, com ideia de acabar a carreira no Sporting, o clube do coração, embora a sua família seja benfiquista. O destino assim não quis mas Peixe não guarda mágoa de nada, nem se lamenta. Porque há coisas mais importantes e sérias na vida. Como a própria vida. A morte de Fehér é o exemplo. Quando o húngaro caiu desamparado no relvado D. Afonso Henriques, a 25 de Janeiro de 2004 (faz cinco anos depois de amanhã) e nunca mais se levantou, Peixe sentiu-se atingido e resolveu também ele desligar-se do futebol. "Foi o clique", justifica.

Boa tarde, estou a falar com Peixe, o melhor jogador do Mundial sub-20 em 1991?

Ganhei a Bola de Ouro como jogador e já me estou a preparar para a de treinador [risos]. Já tenho um espaço lá em casa guardado para o efeito [mais risos].

Esse Mundial mudou a sua vida?

A minha vida e a de todos os outros. Houve maior pressão e começaram a falar mais em nós, o que foi bom. Foi óptimo. Serviu para crescermos e melhorarmos.

É recordado pelo público em geral como o homem que poderia ter feito a diferença nos 6-3 entre Sporting e Benfica, em Maio de 1994. Consigo em campo, punha o JVP na ordem?

As pessoas fazem essa comparação há muito tempo e exprimem algumas interrogações sobre isso. A minha posição coincidia com a do João. Talvez ele tivesse mais algumas dificuldades ou talvez eu tivesse mais dificuldades. Mas a história desse jogo [14 de Maio de 1994] começa antes, num jogo nas Antas, uma semana e meia antes do dérbi [3 de Maio]. O Sporting defrontou o FC Porto e perdeu 2-0 num jogo marcado pelas três expulsões de Carlos Valente. Primeiro foi o Juskowiak, ainda na primeira parte [35', vermelho directo, por protestos], depois o Vujacic [60', duplo amarelo] e, finalmente, eu [62', também vermelho directo por entrada sobre Jaime Magalhães]. A minha expulsão foi a única que considero justa - atropelei, sem querer, pois queria jogar a bola, um jogador do FC Porto no meio-campo -, mas foi um jogo esquisito, com uma arbitragem a condizer. Como vi o vermelho directo, fiquei suspenso por dois jogos. Falhei Beira-Mar [4-0 para o Sporting, em Aveiro] e Benfica. Portanto, tive de ver esse encontro atrás da baliza em que o João Vieira Pinto marcou os três golos ao Lemajic. Até ao intervalo, senti que podíamos dar a volta, mas foi a noite do João e do Benfica.

Felicitou o João depois do jogo?

Não estava com cabeça para o ver, nem para ouvir falar do João. Mas depois é claro que lhe dei os parabéns.

No encontro seguinte [1-0 para o Sporting, a 1 de Dezembro de 1994], Peixe já lá estava e isso notou-se.

Na primeira bola dividida entre mim e o João, embrulhámo-nos e ele deu-me um pontapé na boca. Fiquei sem dois dentes e ainda estou à espera de que ele mos pague. Estou a brincar! Foi um lance normal, em que caímos e fizemos tudo para nos levantar o mais depressa possível à procura da bola.

Recuemos no tempo. Como é que um rapaz da Nazaré chega ao Sporting?

Antes disso, há uma outra história. Eu jogava no Grupo Desportivo Os Nazarenos [actual 7.o classificado da Divisão de Honra da AF Leiria] e fui treinar ao Benfica com um amigo. Nessa altura o treinador era o senhor Mário Coluna [bicampeão europeu, decacampeão nacional e capitão do Benfica por sete épocas] e ele quis que eu ficasse, mas o centro de estágio do Benfica estava cheio. A solução passava por ir viver para uma pensão em Lisboa, ali na Baixa. E eu, um miúdo da província, não achei benéfico ficar sozinho em Lisboa, aos 12/13 anos, num meio tão movimentado. Nunca tinha visto um avião tão perto, nem sequer um semáforo. Tudo aquilo era novo e seria uma mudança radical e violenta. Só passados uns tempos é que fui novamente a Lisboa, dessa vez ao Sporting, então treinado por Carlos Pereira, que até há bem pouco tempo foi adjunto do Paulo Bento. Lá, o centro de estágio também estava cheio, mas puseram um colchão no meio de um quarto e dormi nessas condições por três meses.

Quem jogava nesse Sporting?

Um tal Figo [risos], entre muitos outros.

E como é que correram as coisas?

Foi tudo fantástico. No primeiro ano, fomos campeões nacionais só com vitórias, numa final com o FC Porto, em Viseu, no Fontelo [em 1986-87]. Depois, nunca mais ganhei nada e fui duas vezes vice- -campeão, uma delas numa final resolvida nos penáltis, frente ao V. Guimarães, Mas devo tudo ao Sporting. O meu primeiro passaporte foi tirado quando jogava no Sporting. A minha primeira viagem de avião também. A minha primeira noite num quarto de hotel idem. Enfim, descobri o mundo pelo Sporting, porque os clubes têm um papel fulcral na formação como jogador e como indivíduo.

Como explica o cachecol do Benfica à porta do seu quarto no centro de estágio do Sporting?

Está bem informado. Mas explico isso em segundos. Eu adorava futebol e devorava futebol. Estava em Lisboa. Sporting e Benfica jogavam em fins-de-semana alternadamente, portanto ia sempre ver esses jogos. Numa dessas vezes, o Benfica ganhou 3-1 ao FC Porto com três golos do Rui Águas [e um do Gomes, três semanas depois dos 7-1 do Sporting ao Benfica] e comprei um cachecol do Benfica à saída do estádio. Levei-o para o centro de estágio e esqueci-me de o guardar. No dia seguinte, lá tive de me explicar. Mas ainda há outro motivo: a minha família é toda benfiquista e eu cresci com aquele golo do Carlos Manuel em Estugarda [num fabuloso remate a 30 metros que garantiu a vitória de Portugal sobre a RFA, no apuramento para o Mundial-86, no México]. Eu era o Carlos Manuel nos jogos que fazia na rua. Ora, o Carlos Manuel era do Benfica.

E chegou a jogar com Carlos Manuel?

Não, mas ele pertencia ao Sporting quando me estreei na equipa principal [2 de Dezembro de 1990]. Nesse dia, jogámos no Barreiro, com o Farense, e ganhámos 1-0 [golo do suplente João Luís II, aos 79']. Fui titular [como central, ao lado de Miguel], mas o Carlos Manuel não foi convocado.

Melhor ainda, chegou a marcar algum golo como aquele do Carlos Manuel?

Ahhh, não tinha potência para aquilo.

Mas lembro-me de que uma vez marcou quase do meio-campo.

Sim, é verdade, no FC Porto, mas foi um misto de engano e sorte. Tentei afastar a bola o mais possível da minha zona e como estava algum vento... [foi o 3-1 final sobre a União Leiria, a 13 de Março de 1999; o guarda-redes leiriense era o internacional croata Zitnjak].

Por falar nisso, como foi parar ao FC Porto, sendo um produto de Alvalade?

A resposta é longa. À partida para a época 1996-97, no Sporting, pedi um aumento de salário aquando da renovação do contrato. Era titular no Sporting e jogava na selecção. Impunha-se o querer ganhar mais, mas esse facto não foi tomado em consideração pelo presidente Sousa Cintra. Ainda recusei o Benfica e depois apareceu o Sevilha, onde acabei por encontrar uma realidade desajustada, num clube com ordenados em atraso e que desceu à 2.a divisão porque estava endividado. Estive lá uns seis meses, onde conheci um senhor jogador chamado Davor Suker, já aí pretendido por Real Madrid, Barcelona e outros grandes de Inglaterra, além de me ter cruzado com três treinadores - um deles foi o Toni [bicampeão nacional pelo Benfica e finalista da Taça dos Campeões em 1988] - e três presidentes - um deles o Del Nido, que é o actual dirigente máximo do Sevilha. Nessa situação, pedi para sair e voltei ao Sporting, depois de aceitar um convite do presidente Santana Lopes. À minha espera, o tal contrato que tinha pedido no Verão anterior. Estreei-me num Sporting-FC Porto, resolvido com dois golos do Domingos. Antes desse jogo, dois helicópteros sobrevoaram o estádio para ver se lhe tiravam a imensa água [gargalhadas sonoras]. Fiz uns jogos e depois o Octávio Machado pôs-me a treinar à parte, numa fase em que entraram na direcção do Sporting muitas pessoas novas que não estavam nada identificadas nem com o clube, nem com a sua mística, nem com o seu potencial humano. E pronto, apareceu o FC Porto. Fim da resposta a esta pergunta [gargalhadas mais sonoras ainda].

Impôs-se com facilidade no FC Porto?

No ano do tetra, só fiz um jogo, com António Oliveira. No ano do penta, com Fernando Santos, é que joguei mais [13 vezes]. Mas há uma história pelo meio. A concorrência era pesada, com Paulinho Santos, Doriva e Chainho. De Agosto a Dezembro, só tinha jogado uma vez para o campeonato. Estávamos na reabertura do mercado e quis sair para adquirir ritmo competitivo. O único clube que se chegou à frente foi o Fluminense e até um director-geral brasileiro se deslocou ao Porto para falar comigo. Reunimo-nos e disse-lhe que ia pensar. No dia seguinte fui à SAD do Porto para dizer que queria sair e encontrei o presidente Pinto da Costa no edifício. Ele soube da situação e pediu-me para ficar no Porto, que ainda ia jogar muito. A verdade é que fiquei e marquei o tal golo à U. Leiria no jogo em que recuperei a titularidade. Até ao final da época, voltei a jogar com regularidade e tudo estava bem.

Até os problemas voltarem.

Pois, é verdade. Infelizmente. Eu treinava-me bem, mas não jogava por razões que me ultrapassavam e que eram extrafutebol [as relações entre Pinto da Costa e o empresário português de jogadores, José Veiga, tinham-se deteriorado na sequência da transferência de Sérgio Conceição para a Lazio e Peixe era jogador de Veiga]. Por isso, fui parar à equipa B do FC Porto. Compreendi os motivos mas não os aceitei.

Por isso é que foi jogar para o Alverca?

Mais ou menos. Eu queria cumprir o meu contrato com o FC Porto até ao fim, mas estava a treinar com a equipa B e isso era um problema. Até que um elemento da SAD do FC Porto me falou de ir para o Alverca. Disse-lhe que não, porque queria outro campeonato - não o português. Foi então que esse senhor me aconselhou a ir para o Alverca ou então ficava a treinar com a equipa B mais seis meses. Aí, aceitei.

Tinha alguma na manga com essa de jogar noutros campeonatos?

Era um desejo, sim, porque sentia que podia mostrar mais.

Mas tirando aquela oferta do Fluminense, que outro clube o contactou?

Só a Juventus, e no início da década 90. Foi o Rui Barros [internacional português que jogou pela equipa de Turim entre 1987 e 1990] que me telefonou a convidar, mas eu estava bem no Sporting e queria acabar a carreira no clube que me formou como homem e jogador. Veja lá como são as coisas [risos]. Disse--lhe que não e a conversa ficou por aí.

Do Alverca saltou para o Benfica e completou o ciclo dos três grandes.

O interesse do Benfica era antigo. Na época do penta do FC Porto, em 1998-99, houve uma reunião tipo G3 entre Pinto da Costa, Manuel Vilarinho e Dias da Cunha, para uma troca de jogadores, mas eu não quis, para honrar o compromisso com o FC Porto. Só após a experiência no Alverca é que me senti animado para aceitar o repto do Benfica, através do convite de Jesualdo Ferreira. Queria mostrar tanta coisa, mas as sucessivas operações ao joelho baralharam o esquema. As dores constantes desmotivaram-me. Só fiz dois jogos [1-0 ao Belenenses na Luz e 0-0 no Bessa, com o Boavista], mas treinava com infiltrações, cheio de dores e limitado fisicamente. Ora, isso não era vida para ninguém.

As lesões hipotecaram o seu futuro, apesar de ter feito ainda meia época na União Leiria, em 2003-04?

Sim, os joelhos ajudaram, mas houve outro factor, aquilo que aconteceu ao Miklos Fehér. Para quê continuar? Já não valia a pena. A morte dele fez-me pensar, pensar e pensar. Fez-se clique na minha cabeça, entrei em luto e abandonei o futebol.

Vocês jogaram no Porto e no Benfica.

Éramos grandes amigos. Almoçávamos e jantávamos muitas vezes juntos, sobretudo no FC Porto, porque a nossa situação era idêntica, no que toca a treinar à parte, na equipa B. Certa vez, no último ano, jogámos squash às escondidas. Como não competíamos no futebol e queríamos ter o complemento físico de volta, entrámos num torneio. Quando o reencontrei no Benfica, foi uma alegria.

Fonte: i